11/12/2016 10:12:00

Caminhos mais sustentáveis

Usiminas transforma resíduos siderúrgicos em soluções para a vida das pessoas


Nos últimos anos, algumas iniciativas contribuem para mudar o paradigma na indústria do aço, permitindo que os resíduos tenham uma destinação ainda mais sustentável. Na Usiminas, o programa Caminhos do Vale transformou o agregado siderúrgico resultante do beneficiamento da escória de Aciaria e gerado pelo processo produtivo em coproduto utilizado na pavimentação de estradas rurais no Vale do Aço, o que contribui para garantir uma melhor mobilidade aos moradores da região.

Em contrapartida, as prefeituras que recebem o material se comprometem a desenvolver ou ampliar iniciativas socioambientais para a comunidade.

Com o programa, já foram viabilizadas junto às prefeituras de Ipatinga, Santana do Paraíso, Coronel Fabriciano, Timóteo e Marliéria a pavimentação de 600 km de estradas rurais, a restauração de 50 km de vias urbanas e a recuperação de 35 pontes, encostas e áreas degradadas. Mais de 1 milhão de toneladas de material foram aplicadas e, ao todo, o projeto já beneficiou mais de 500 mil pessoas desde o início das doações, em 2015.

ACS Usiminas


O Grupo de Trabalho Coprodutos da Usiminas destaca os resultados obtidos
O agregado siderúrgico produzido na Usina de Ipatinga vai para municípios da região que atendem aos vários requisitos socioambientais, econômicos e estruturais definidos pela Usiminas. “Nos preocupamos em certificar e aprovar, usando critérios como investimentos em projetos nas comunidades, infraestrutura de equipamentos, além de recursos humanos, financeiros e técnicos, que as prefeituras irão garantir a correta aplicação do agregado destinado”, afirma Roberto Maia, diretor-executivo da Usina de Ipatinga.

Henrique Hélcio Eleto dos Santos, que coordena o Grupo de Trabalho Coprodutos da Usiminas, diz que 57 prefeituras foram mapeadas para receber o agregado siderúrgico. De início, cinco foram escolhidas: Ipatinga, Santana do Paraíso, Coronel Fabriciano, Timóteo e Marliéria. Em 2017, esse número deve ser ampliado para 23 municípios.

“As prefeituras que não foram contempladas na primeira fase foram incentivadas a melhorar ou instituir um programa de gestão ambiental e promover iniciativas socioambientais, como a recuperação e proteção de nascentes, plantio de árvores, cuidados com a fauna e flora, entre outras ações”, diz Henrique.

Em Marliéria, várias nascentes e áreas degradadas foram recuperadas e a comunidade fez um curso para continuar o trabalho, proteger esses espaços e incentivar o uso consciente dos recursos. A capacitação foi realizada em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, Senar Minas.

Em Santana do Paraíso implantou-se um programa de educação ambiental nas escolas do município, para conscientizar os estudantes sobre a correta disposição de resíduos, uso racional da água e conservação de áreas de preservação permanente. Outro projeto instituído foi a Horta Municipal, que envolve a comunidade em parceria com a prefeitura na alavancagem da economia local por meio da melhoria na logística e distribuição de produtos rurais. Além disso, o projeto promove a doação dos alimentos produzidos aos lares de idosos e à população carente do município.

ACS Usiminas


O presidente Rômel Erwin recebe o Prêmio Hugo Werneck
Para a Usiminas, o Programa Caminhos do Vale superou as expectativas em relação à promoção da preservação ambiental e ao desenvolvimento social, proporcionando destinações sustentáveis aos resíduos gerados no processo industrial, reduzindo o descarte do coproduto em Aterros Controlados e otimizando estocagem e recursos financeiros.

“A proposta do Grupo de Trabalho Coprodutos é consolidar novas aplicações, transformando o agregado siderúrgico em matéria-prima para o desenvolvimento de outros produtos como cimento, corretivo, fertilizantes agrícolas, artefatos de concreto e lastro ferroviário, entre outras possibilidades”, finaliza.

PROGRAMA PREMIADO
A Usiminas venceu a categoria Melhor Projeto de Parceiro Sustentável da 7ª edição do Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza, dia 29 de novembro, maior premiação ambiental do país, organizada pela Revista Ecológico. O Caminhos do Vale destacou-se entre 116 projetos e indicações de personalidades de todas as regiões do Brasil.

O presidente da Usiminas, Rômel Erwin de Souza, recebeu o prêmio ao lado de Henrique Hélcio. E destacou a importância do reconhecimento, que motiva a companhia na busca por melhores resultados, principalmente na área de sustentabilidade. “Nosso programa é acessível e atuamos mais como indutores de ações socioambientais.

Na realidade, damos uma destinação adequada ao nosso coproduto, ao mesmo tempo em que atuamos para que os municípios envolvidos invistam em iniciativas como a recuperação de mata ciliar, de áreas degradadas e de nascentes”, afirmou o presidente.

COMPROMISSO HISTÓRICO
O programa Caminhos do Vale agrega-se ao conjunto de ações sustentáveis promovidas há décadas pela Usiminas em Ipatinga e no Vale do Aço. Um dos destaques é o programa permanente de áreas verdes, com a manutenção de seu cinturão verde industrial de 377 hectares, assim como os 1.291 hectares de bosques urbanos e 185 hectares de Mata Ciliar dos rios Piracicaba e Doce.

A ação é abastecida pela produção do Viveiro de Mudas da companhia, que produz cerca de 22 mil unidades anuais de espécies arbóreas para reflorestamentos mistos com espécies nativas, capoeiras, matas ciliares, reservas legais e topos de morros.

Além do plantio, os recursos hídricos usados nos processos produtivos também são geridos de forma responsável. Em média, 95% da água utilizada é processada e retorna às instalações industriais, com 5% devolvida ao rio Piracicaba. O Projeto Xerimbabo Usiminas é outra iniciativa para preparar as futuras gerações.

Realizado no Centro de Biodiversidade da Usipa, traz uma nova temática anual e recebe estudantes e comunidade em seminários, concursos e exposição de arte, por onde já passaram mais de 2,6 milhões de pessoas, em 32 anos de realização.




Envie o seu Comentário