20/12/2016 18:09:00

Educação física e flexibilização


Divulgação

A partir do próximo ano, a matéria Educação Física não mais será obrigatória no ensino médio no Brasil. Vai ficar a critério das escolas adotarem ou não os procedimentos nessa direção. Com esta medida, o governo brasileiro retrocede na formação do cidadão. Por comodidade, ou só para “conter gastos”, é provável que muitas escolas cortem essa matéria.

Em qualquer país que leva o esporte a sério, a atividade esportiva nas escolas é o ponto de partida para a formação de novos atletas. Estados Unidos, Rússia, China, Canadá, Inglaterra, França e tantos outros tornam a prática esportiva uma atividade prioritária, oferecendo bolsas de estudos e outros incentivos para atrair novos atletas.

Anos depois, o fruto desse investimento é traduzido pela presença de campeões em competições de alto desempenho. É nas escolas de ensino médio desses países que é carimbado o passaporte para as universidades, onde os atletas de maior potencial são escolhidos e aprimorados, logo despertando o interesse de grandes clubes, nas mais diversas modalidades.

Até mesmo Cuba, quando recebia generosas contribuições financeiras da Rússia e depois da Venezuela, viveu um período áureo no esporte seguindo esse consagrado modelo de política governamental. Como essas fontes secaram, houve abrupta decadência dos cubanos no esporte.

Na contramão dos países que valorizam o esporte, mais uma vez, o Brasil vai continuar como uma figura apagada no cenário mundial. Sem o respaldo de profissionais de Educação Física, a sonhada inclusão do país na vanguarda do esporte mundial vai ficar ainda mais distante.

Quando contamos as medalhas conseguidas em Olimpíadas, percebemos o quanto estamos atrasados em matéria de formação esportiva.

Apesar desse desprezo pelo esporte, a maioria das escolas possui espaços destinados à prática da educação física e atividades esportivas. O que fazer com estes espaços? A partir de agora, não haverá justificativa para construir ginásios, mas isso não significa que serão erguidos hospitais ou outros equipamentos relegados ao segundo plano nos últimos anos, pasmem, por governos supostamente comprometidos com o social.

No meu ponto de vista, as Delegacias de Ensino deveriam contestar essa decisão e insistir para que as escolas, em vez de desativar, fortaleçam a Educação Física. Afinal, o esporte é um dos principais pilares para moldar o cidadão. Mesmo de maneira capenga, é assim que nossos atletas de ponta foram descobertos, graças à dedicação de profissionais que insistem em trabalhar nessa área ou nas escolinhas de futebol.

NEGOCIAÇÕES
Nesse recesso do futebol, como sempre, é tempo de transferências, retorno de jogadores e especulações. O mercado de compra e venda, então, convive com as mais absurdas e improváveis transações.

Cruzeiro e Atlético também se movimentam para qualificar seus elencos, e ainda diminuir a folha de pagamento. O time celeste, com um plantel mais enxuto, fez uma boa contratação. O zagueiro Luiz Caicedo, que pertencia ao Independiente Del Valle, já está acertado, e também o lateral esquerdo Diego Barbosa, contratado junto ao Botafogo.

Algumas especulações rondam a Toca da Raposa. Hudson e Wesley, volantes do São Paulo, estão na mira, e o atacante Marcelo Moreno, ora no futebol chinês, é um eterno sonho de consumo, mas o alto salário é um dos empecilhos para que as partes batam o martelo.

Já o Atlético, depois de liberar Júnior Urso, Edcarlos e Ronaldo, deve negociar jogadores, na expectativa de trazer alguns reforços pontuais. Danilo, lateral do Dínamo de Kiev, está em negociações. Tardelli não está satisfeito na China e pode ser a novidade nessa janela, desde que o Atlético feche a venda de Lucas Pratto. Mesmo assim, Rafael Moura deve retornar do Figueirense, Fred e Robinho devem permanecer, e o setor ofensivo conta ainda com Cleyton e Carlos.

Como se isso não bastasse, comenta-se que Roger Ferreira pediu a contratação de Marlone que, depois de se destacar no Vasco da Gama, não emplacou no Cruzeiro, Fluminense, Sport e Corinthians.
Então, é comer o panetone neste Natal e aguardar o que pode pintar de concreto nas duas maiores forças do nosso estado.

CÉLIO RONALDO DA SILVA
Um grande amigo, o ex-árbitro Célio Ronaldo, o “Ceim”, faleceu no fim de semana em Coronel Fabriciano. Além de ter atuado como jogador no futebol amador, Ceim foi árbitro da Lidecel, de Coronel Fabriciano, e da LDI (Liga de Desportos de Ipatinga). Que Deus conforte seus familiares e amigos.

LEMBRANÇAS
Edézio Gabriel Santana “Bié”, foi um dos raros jogadores de futsal que tinha muita habilidade e um chute incrivelmente forte, para desespero dos adversários do Ipanema Esporte Clube. Bié, Cleber da Usipa e Sinésio Miranda, eram os jogadores que tinham um canhão nos pés em nossa região.

Contato com a coluna: roberto50mg@hotmail.com.




Envie o seu Comentário