27/12/2016 19:08:00

Perdas e danos


Divulgação

O futebol mineiro foi um desastre nesta temporada. O América, depois de se sagrar campeão estadual, acreditou que tinha um time bem estruturado para retornar à elite nacional. Não demorou a quebrar a cara e a degola foi inevitável. Agora, além da obrigação de fazer um bom papel no Mineiro, para defender seu título, terá de pensar mais adiante para montar um grupo capaz de conquistar um novo acesso à série A.

O Cruzeiro também não vai ter saudades de 2016. A aposta em Deivid se mostrou errada ainda em meio ao Campeonato Mineiro. A diretoria demorou a agir e, quando o fez, insistiu no erro ao confiar a um treinador estrangeiro a missão de dar consistência à equipe. Paulo Bento causou boa impressão nas primeiras rodadas, mas não demorou a cair na mesmice.

Um golpe de sorte, com a dispensa de Mano Menezes na China, foi decisivo para evitar a caminhada rumo ao rebaixamento. A torcida ainda sonha com a contratação de jogadores mais qualificados, mas a tendência é de algumas negociações pontuais. Outro problema é arranjar lugar no mercado para despachar muitos come-quietos.

No entanto, a maior decepção do ano foi o Atlético Mineiro, que fez contratações milionárias, trazendo jogadores experientes, repletos de títulos em suas carreiras em clubes e na seleção brasileira. A falta de planejamento foi o principal motivo de o time não dar certo.

O primeiro erro foi não renovar o contrato com Levir Culpi, que desejava ficar no clube. Mas o presidente Daniel Nepomuceno não mediu esforços para buscar Diego Aguirre, que já tivera uma passagem conturbada pelo Internacional. O uruguaio ratificou a falta de preparo para comandar um grupo muito bom. E de tanto repetir a prática do rodízio, o time chegou à final do Mineiro sem esquema tático e foi derrotado pelo América.

Com a chegada de Marcelo Oliveira, e ainda de mais reforços de peso, os atleticanos passaram a confiar cegamente na possibilidade de quebrar o longo jejum sem conquistar o Campeonato Brasileiro. No entanto, depois de uma breve fase que reforçou essa confiança, o time começou a oscilar e se distanciar dos líderes da competição.

E como Marcelo não fez um mea-culpa e continuou com medo de escalar três atacantes, o feitiço virou contra o feiticeiro e a tentativa de praticamente liquidar o Grêmio no primeiro jogo do mata-mata pela Copa do Brasil, em pleno Mineirão, foi uma experiência frustrante.

Pela primeira na final dessa competição, o visitante venceu e deu um passo importante para confirmar a conquista. Diogo Giacomini assumiu após a dispensa de Marcelo Oliveira e, embora tentasse tirar a diferença imposta pela equipe gaúcha, foi a vez de o Grêmio tirar proveito da enorme vantagem alcançada no Mineirão.

LEMBRANÇAS
Do tempo que o Bicicross era um dos esportes mais praticados em Ipatinga, com a pista localizada no bairro Iguaçu, na divisa com o Parque Ipanema.

Do tempo de ouro do futsal, desde a base até a categoria adulta, das competições de peteca, no Ipê, Ipaminas e Clube Casa de Campo, que fizeram história e ajudaram no crescimento destas modalidades no interior de Minas Gerais.

Contato com a coluna: roberto50mg@hotmail.com




Envie o seu Comentário