02/05/2017 08:33:00

Capital Brasileira do Aço Inox

Caderno Especial de Aniversário



Divulgação


A Fundação Aperam é uma das guardiãs da história em Timóteo
A exploração da região dos Sertões do Rio Doce começou no fim do século XVI, em expedições à procura de metais preciosos, mas o desbravamento das terras foi proibido no começo do século XVII, para evitar o contrabando do ouro extraído nas redondezas de Diamantina.

O povoamento foi liberado em 1755, mas os indígenas que habitavam o Vale do rio Doce – os borun, ou botocudos - eram vistos como um obstáculo para a exploração. Assim, no início do século XIX, foram criados “quartéis” para proteger os colonos - a chamada “4ª Divisão do Rio Doce”.

Em 1820, a região de Timóteo era subordinada ao Quartel Onça Pequena, com sede em Jaguaraçu. Naquela época, Guido Marlière era o comandante geral das divisões do rio Doce.

Divulgação


Região Centro-Sul de Timóteo, na década de 1930
O começo do povoamento de Timóteo ocorreu em meados do século XIX, quando Francisco de Paula e Silva (conhecido como Chico Santa Maria, por ser natural de Santa Maria de Itabira/MG), adquiriu três sesmarias (Alegre, Limoeiro e Timóteo) na localidade e se instalou em uma delas, no atual bairro Alegre, próximo ao chamado Ribeirão de Timóteo, juntamente com a sua família e numerosos escravos, e onde também recebia tropeiros em busca de descanso.

Francisco estabeleceu a agricultura e a criação de gado, incentivando a formação de um povoado, que mais tarde foi batizado de São Sebastião do Alegre.

A origem da denominação “Timóteo” é atribuída ao sobrenome de um tropeiro que teria se instalado na localidade, onde abriu uma venda que se tornou um importante ponto de referência, ficando conhecida também como “Paragem do Ribeirão do Timóteo”. Uma outra versão refere-se a um desbravador que teria decidido homenagear um sobrinho europeu, de nome Timóteo.

Em 1938 ocorreu a criação do distrito de Timóteo, subordinado ao município de Antônio Dias. Na década seguinte, Timóteo foi escolhido para sediar o núcleo industrial da Acesita (Aços Especiais Itabira), atual Aperam South America. Isso só foi possível dada a facilidade de recebimento de matéria-prima e escoamento por meio da EFVM, disponibilidade de água no rio Piracicaba e madeira nas vastas matas locais. Em 1948, o distrito foi anexado ao município de Coronel Fabriciano.

Uma vila operária destinada aos trabalhadores da Acesita foi construída, paralela ao núcleo urbano original Essa situação levou à divisão da cidade em dois agrupamentos: um composto pelos bairros construídos pela empresa, região que cresceu ao redor do Centro-Norte e ainda hoje é conhecida como “Acesita”, apesar da mudança de nome da empresa, e o outro formado a partir das ocupações originais no Centro-Sul, que por sua vez é chamado “Timóteo”.

Apesar do crescimento do setor de serviços, a indústria ainda representa a principal fonte de renda municipal e sua manutenção na região contribuiu para a formação da Região Metropolitana do Vale do Aço, que corresponde a um dos principais polos urbanos do interior do estado.

Timóteo tem cerca de 35% de sua área protegida pelo Parque Estadual do Rio Doce, a maior reserva de Mata Atlântica de Minas Gerais.


Reação dos Leitores





Envie o seu Comentário