02/05/2017 08:41:00

Progresso pelos rios e pelos trilhos

Caderno Especial de Aniversário



Divulgação


Os vagões de minério impulsionaram o desenvolvimento do Vale do Aço
A entrada em operação da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) pelo leste mineiro estimulou o desenvolvimento populacional nas áreas próximas das margens do rio Doce, assim como viria a ocorrer na região do Vale do Aço entre as décadas de 1910 e 20.

Em 1921, o farmacêutico Raimundo Alves de Carvalho fixou-se no atual bairro Horto, em Ipatinga, com o objetivo de atender às obras da EFVM. Raimundo adquiriu terras em São Sebastião do Alegre e doou o terreno para a construção da primeira escola do povoado, a Escola Rural Mista de São Sebastião do Alegre, em 1922, ano em que também ocorreu a instalação da primeira agência de correios.

Em 1925, foi inaugurada a Escola Mista Municipal de Timotinho (como era conhecida a região do bairro Ana Moura), também em terras cedidas pelo boticário. As duas escolas foram incorporadas mais tarde pelo Grupo Escolar Dona Angelina Alves (atual Escola Municipal Angelina Alves de Carvalho), cujo nome homenageia a mãe de Raimundo Alves.

Divulgação


O trem da Vale atravessa Timóteo, tendo ao fundo a usina da Aperam
Em 7 de setembro de 1923 o povoado foi incorporado ao distrito de São José do Grama (atual Jaguaraçu), pertencente a São Domingos do Prata. Em 1928, o farmacêutico instalou nas proximidades do povoado a chamada Fazenda Dona Angelina, às margens do rio Piracicaba.

No começo da década de 1930, Coronel Fabriciano passou a sediar um escritório da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira, que buscava centralizar a exploração de madeira e produção de carvão da região do rio Doce com o objetivo de alimentar os fornos de suas usinas em João Monlevade. A implantação dessa empresa trouxe negociação de terras em grande escala pela região visando a extrair a madeira das matas, culminando em vastas áreas desmatadas.

A preocupação de Dom Helvécio Gomes de Oliveira em preservar a Mata Atlântica nativa resultou na criação do Parque Estadual do Rio Doce, em 1944, sendo a primeira unidade de conservação de Minas Gerais. Pelo decreto estadual nº 148, de 17 de dezembro de 1938, o antigo povoado de São Sebastião do Alegre deixou de pertencer a Jaguaraçu e foi elevado à categoria de distrito, sendo então anexado a Antônio Dias com a denominação de “Timóteo”. A instalação ocorreu em 1º de janeiro de 1940, tendo como primeiro juiz de paz Joaquim Ferreira de Souza.

A localidade era beneficiada pelas paradas de trem da Estrada de Ferro Vitória a Minas nas estações Ana Matos (inaugurada em 26 de agosto de 1925) e Sá Carvalho (26 de agosto de 1925).

A disponibilidade de ferrovia, cursos hídricos e matas para a extração de madeira foram fatores decisivos para que os estudos da Itabira Iron, sob a liderança do norte-americano Percival Farquhar e dos empresários mineiros Amyntas Jacques de Moraes e Athos de Lemos Rache, apontassem Timóteo como o melhor local para a implantação de seu complexo siderúrgico, levando à fundação da Acesita (Aços Especiais Itabira – atual Aperam South America) em 31 de outubro de 1944.

Um empréstimo com o Banco do Brasil era a garantia da consolidação do empreendimento. Em 3 de junho de 1947, foi inaugurada a Estação Acesita, para paradas da EFVM.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário