02/05/2017 09:25:00

No fluir das águas

Caderno Especial de Aniversário



As cachoeiras que há mais de três séculos encantavam tropeiros e viajantes que passavam pelo povoado de Taquaraçu continuam atraindo gente de várias localidades. Elas são o principal cartão postal de Santana do Paraíso, sendo a mais antiga delas a do “Engenho Velho”, ao redor de onde se iniciou o povoamento e que, até hoje, mantém um moinho (ruínas) desses tempos. O manancial hidrográfico de Santana do Paraíso inclui 16 córregos, três ribeirões e quatro lagoas.

Divulgação/ACS PMSP


Em meio à mata, a belíssima Cachoeira do Engenho
CACHOEIRA DO ENGENHO
Antes chamada de Taquaraçu, a cachoeira do Engenho – no centro da cidade - tem hoje o menor volume d’água, mas preserva sua importância histórica e é abastecida pelo córrego do Achado. Transformada em Área de Proteção Ambiental (APA), sedia o Centro de Educação Reflexão e Ações de Cidadania pelo Meio Ambiente (CER-Acima Paraíso). Ao lado da cachoeira, lembrando a ocupação da cidade, há um grande moinho e máquina de limpar cereais, construídos no início do século XX.

Divulgação/ACS PMSP


A Cachoeira de Cima é uma das mais frequentadas
CACHOEIRA DE CIMA
À margem da MG-232, a 800 metros da praça da Matriz, entre as áreas rural e urbana, localiza-se a Cachoeira de Cima, um sítio natural que se impõe entre grandes montanhas cobertas de vegetação típica de Mata Atlântica, com grandes pedras superpostas. Sua imensa queda d’água é “alimentada” pelas águas do córrego do Achado, que nasce a 1,1 mil metros de altitude e ao longo do qual existem inúmeras nascentes.

CACHOEIRA BELA VISTA
Outra bela atração turística de Santana do Paraíso é a Cachoeira Bela Vista, a sete km da sede do município, no Córrego dos Mendes. É uma propriedade particular, aberta à visitação pública. Suas belas quedas d’água são abastecidas pelos córregos do Chico Lucas e da Batinga.

CACHOEIRA BATINGA
A 6,5 quilômetros do centro de Santana do Paraíso está a Cachoeira da Batinga, uma propriedade privada entre morros e manchas de matas nativas. O local tem grandes muros de arrimo de pedra e represas na parte superior da queda d’água. Abaixo de um pequeno canyon, em meio a rochas brancas, destaca-se uma grande queda que se perde em corredeira no meio da vegetação alta. (Com ACS PMSP)


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário