04/06/2017 10:00:00

Ipatinguense tem o maior galo índio do Vale do Aço

Aves que medem mais de um metro e custam mais de R$ 5 mil chamam a atenção no bairro Bom Jardim



Wôlmer Ezequiel


O galo índio gigante, conhecido como “Zeus”, possui 1,17 metro de altura
O quintal do ipatinguense Glaudson Delfior, no bairro Bom Jardim, tem uma atração especial. É que lá ele possui um criatório de galos da raça Índio Gigante. As aves chegam a ter mais de um metro de altura. Uma leitora, que foi lá conhecer os “supergalos” enviou a sugestão e a equipe do Diário do Aço bateu à porta de Glaudson para saber um pouco mais a respeito dessas aves especiais.

Claudson conta que ele sempre gostou do manejo de aves. Por isso decidiu, junto à sua esposa, montar um criatório de galinhas índio gigantes no seu quintal. “Atualmente, temos mais ou menos 300 aves, contando com pintinhos, frangos, galos e galinhas, de forma que são bem distribuídos. São sete galinhas para cada reprodutor”, explica.

Segundo o criador, a raça índio gigante começou a ser desenvolvida em Goiás, e há uns 15 anos vem sendo cuidada por criadores espalhados pelo Brasil afora, que buscam alcançar o padrão de beleza ideal. “Temos como intuito de realizar os cruzamentos até conseguir que a ave tenha o tamanho, característica, peso e rusticidade mais próximos da perfeição, se tornando uma ave exótica e ornamental”, esclarece.

Cruzamento

Glaudson trabalha com a criação das aves há oito anos. Durante esse tempo, ele pôde adquirir experiência nos cruzamentos das espécies, e ainda busca o que seria o ideal. “A gente tem dificuldade de acertar o cruzamento, no sentido de corrigir os defeitos do reprodutor com a galinha. Todas as galinhas têm defeitos que o mercado não aceita. Então, nos cruzamentos, a gente precisa buscar as características que mais nos agradam. E o cruzamento demora anos, porque tem que ir cruzando até chegar a um resultado satisfatório. É um processo bem longo, que demora quatro ou cinco anos”, afirma.

Tamanho

O criador explica que uma ave considerada índia gigante quando alcança, no mínimo, 90 centímetros de altura. Já os galos não podem ter menos que 1,05 metro de altura. Essa medição é feita da ponta da unha até a ponta do bico, com a ave esticada. “No nosso criatório não temos galos com menos de 1,15 de altura e galinhas com menos de 95 centímetros”, disse.

Perguntado sobre a maior ave que possui em seu criatório, Glaudson Delfior é detalhista na resposta. “Hoje nós temos o Zeus, um galo que tem 1,17 metro de altura. Zeus também tem um filho, que possui 1,16 metro e nós demos a ele o nome de Apollo. O Zeus é atualmente o maior galo do Vale do Aço. Não tem outro registrado que seja maior que o Zeus. E também acredito que ele seja o maior em um raio de 100 quilômetros”, destaca.

Valor

Em relação ao valor das aves, o criador explica que o preço varia muito, a depender da característica que o comprador deseja obter. “Hoje em dia nós temos aves que giram em torno de R$ 5 mil. Mas temos aves também de R$ 1 mil, R$ 500 ou R$ 600. Tudo isso depende das características que o criador busca. Então se as aves tiverem um padrão racial que agrada ao mercado, elas serão bem valorizadas”, ressalta.

Ovos

Os ovos dessas aves são comercializados de várias formas, até mesmo pela internet, conforme Glaudson Delfior. “Os ovos podem ser encontrados em vários lugares e são vendidos por diferentes tipos de preço, variando entre R$ 100 a dúzia até mil reais, a depender do reprodutor e das matrizes. E os ovos são um pouco maior do que de uma galinha caipira normal”, salienta.

Sabor

Wôlmer Ezequiel


No criatório de Glaudson há cerca de 300 aves
Já em relação à carne das galinhas gigantes, o criador afirma que é mais saborosa do que de uma galinha comum e que tende a conquistar o mercado nos próximos anos. “Devido às fibras musculares maiores, a carne fica muito mais macia, mais suculenta e mais gostosa. Então, isso proporciona um melhor sabor na hora da refeição”, garante.

Cuidados

Em relação ao manejo, Glaudson Delfior afirma que os cuidados necessários com aves da raça índio gigante são os mesmos que uma pessoa deve ter com uma galinha normal. “É necessário sempre manter o local adequado de forma higiênica e saudável, mesmo que seja um criatório de fundo de quintal. Não se pode esquecer deixar água limpa, ração de qualidade e manter um controle de qualquer enfermidade”, resume.

Família

Glaudson também afirma que não existe problema com sua família por criar as aves índio gigante, porque todos gostam dos animais. ”Minha filha e esposa têm muita interatividade com as galinhas e galos. Ela brinca com as aves desde pequena. Funciona como uma distração para nós ter essas belezas aqui no fundo de casa. Meus amigos ficam impressionados quando vêm me visitar. Muitos deles até passaram a criar o galo índio gigante, porque ficaram apaixonados com as aves”, conclui.


Ave índio Gigante


Reação dos Leitores





Comentários

Cleber

26 de Junho, 2017 | 12:24
Qual é o contado,para está adquirindo?

Jaeder Teixeira Gomes

23 de Junho, 2017 | 12:45
Parabéns. Mas que não seja para rinha.

Ana Paula

04 de Junho, 2017 | 20:09
Parabéns pela criação do galo índio gigante. Sabemos da competência e dedicação ao qual despensa aos animais. Glaudson já é um conhecido criador pela qualidade de seus animais.
Envie o seu Comentário