11/08/2017 17:57:00

Copam aprova licenciamento da Mina Baratinha

Expectativa é que reativação de mina gere empregos e recursos para município que sofre com desemprego e baixo IDH



Alex Ferreira


Localizada no Horto Baratinha, mina teve aprovada mais uma etapa do licenciamento
A Câmara de Atividades Minerais do Conselho de Política Ambiental (Copam), de Minas Gerais aprovou, por 11 votos a um, em reunião nesta sexta-feira (11), em Belo Horizonte, a licença de instalação da Mina Horto Baratinha, localizada em Antônio Dias.

Fechada desde a década de 1980, a antiga mina localizada em uma encosta à margem esquerda do rio Piracicaba, está em processo de reativação desde 2014. A expectativa é que, quando estiver em operação com a capacidade total, a unidade produza dois milhões de toneladas anuais de concentrado de minério de ferro, o sinter feed de alta qualidade (66,1%). O empreendimento está sob responsabilidade da GO4 Participações e Empreendimentos S.A., do grupo Brasil Exploração Mineral S.A. (Bemisa). Na década de 1980 a mina foi operada pela Extramil, que desistiu da atividade por causa da queda na demanda pelo mineral extraído naquela localidade no começo dos anos 80.

A aprovação foi comemorada pelo prefeito interino, Benedito de Assis Lima, o Ditinho (PSDB). Acompanhado do presidente da Câmara, Elcio Ataíde (PMDB), o prefeito acompanhou a reunião no Copam, na capital, e afirmou ao Diário do Aço, por telefone, que a operação da mina gera expectativa de um novo tempo, em Antônio Dias. “Esperamos dias melhores para as famílias de nossa cidade”, disse o prefeito.

Quando refere-se a “dias melhores”, o prefeito do município, com cerca de 10 mil habitantes avalia, primeiro, a possível geração de 320 empregos diretos e 800 indiretos. Depois, os royalties da mineração, que poderão retirar a cidade mais antiga do Vale do Aço do atraso. Antônio Dias, que já teve em seu território a área de Coronel Fabriciano, que depois foi subdividida em Timóteo e Ipatinga, amarga a estagnação populacional, o desemprego galopante e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,645, bem abaixo da média estadual, que é 0,731.

Exploração
A operação da lavra experimental da mina foi iniciada pela Bemisa no segundo semestre de 2014. Conforme a empresa, a sondagem concluída ao longo de duas campanhas realizadas durante a etapa de pesquisa exploratória, mostra a dimensão do depósito de minério. “O resultado de ambas as campanhas de sondagem possibilitou a certificação de 27,35 milhões de toneladas de recursos com teor médio de 58,92%”.

Sobre a qualidade do produto, a empresa divulgou que “a Mina Baratinha está apta a produzir Sinter Feed com alto teor de ferro (65% Fe) e baixos níveis de contaminantes até o fim de sua operação”.





Reação dos Leitores





Envie o seu Comentário