Expo Usipa 2024 02 - 728x90

15 de maio, de 2022 | 07:00

Novo desafio

Fernando Rocha

Menos de setenta duas horas depois de conquistar uma classificação dramática na Copa do Brasil, o Cruzeiro volta a campo, hoje, para enfrentar o Náutico, em Recife, defendendo a vice-liderança no Campeonato Brasileiro da Série B.

Ainda estão vivas na memória do torcedor celeste as cenas emocionantes das cobranças de penalidades contra o Remo, no Independência, na última quinta-feira, quando brilhou a estrela do goleiro Rafael Cabral, que levou o Cruzeiro às oitavas de final e a pôr a mão em R$ 3 milhões da premiação.

Cabral chegou para substituir o maior goleiro na história do clube, Fábio, sendo visto até então com desconfiança pelo torcedor celeste, mas conseguiu, por seus méritos, colocar fim à uma era e tornar-se o novo ídolo da massa celeste.

Vale ressaltar a garra, a entrega dos jogadores do Remo, clube que disputa a Série C, onde ocupa apenas a 11ª posição, tentando se recuperar de um início de temporada ruim, após terminar em terceiro lugar no fraquíssimo campeonato paraense.

Má vontade
Até os bairristas da imprensa do eixo Rio-SP estão dizendo agora que a campanha covarde, sacana e mentirosa, encabeçada por eles mesmos e uma parte da imprensa azul aqui dos nossos grotões, para jogar os árbitros contra o Atlético, está surtindo efeito.

A má vontade dos assopradores de apito voltou com gosto de gás, prejudicando o Atlético nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro, onde, em caso de dúvida, só marcam contra o alvinegro.

Ficou ainda mais clara essa esdrúxula tendência após a divulgação do áudio onde o árbitro catarinense, Bráulio Machado, discute com o VAR sobre que posição tomar no lance do pênalti e expulsão, anulados contra o Bragantino, onde mesmo após ver as imagens e ser alertado para validar sua decisão de campo, decidiu voltar atrás e prejudicar o Atlético.

Se o time comandado pelo Turco Mohamed jogasse acima da média, como foi ano passado, a má vontade dos assopradores de apito não surtiria efeito, mas o atual Atlético anda em viés de baixa. Então, vale lembrar a música sertaneja onde o cantor diz: “desgramou tudo”.

FIM DE PAPO

Ainda faltam duas vagas para se conhecer todos os times que irão disputar as oitavas de final da Copa do Brasil, e uma delas deverá ser do Galo, que venceu de 3 x 0 o primeiro confronto com o Brasiliense. Só duas equipes, Bahia e Cruzeiro, não são da Série A. As datas da próxima fase estão definidas: 22 e 23 de junho para os jogos de ida; 13 e 14 de julho para os confrontos de volta. O sorteio, entretanto, só poderá ser realizado no dia 1º de junho, após a definição dos últimos classificados. E podem acontecer nas oitavas jogos entre os times mineiros que estarão em potes diferentes.

O que mais chama a atenção e agrada, nessa fase atual do Cruzeiro, é que ninguém da diretoria, da comissão técnica e, sobretudo, o técnico Paulo Pezzolano vendem uma ideia surreal ou tentam enganar a torcida sobre a qualidade do time. O discurso, bem diferente dos dois anos anteriores na Série B, reconhece as limitações técnicas da equipe, mas ressalta a entrega e a garra dos jogadores, que estão imbuídos no propósito de recolocar o clube na Série A, onde é seu lugar.

Independentemente do jogo de ontem, quando enfrentou o Atlético (GO), no Independência, o miolo de zaga do Galo, composto por Natan e Alonso, tem sido um dos pontos vacilantes da equipe, tomando muitos gols por erros de marcação e de posicionamento. A lateral direita é outro problema quando não tem Mariano, pois seu substituto, Guga, é muito fraco. Nacho é o melhor disparado, mas corre errado e se desgasta muito. Hulk precisa esquecer a arbitragem e só fazer o que sabe muito bem, que é jogar bola.

A partir de 2023 até 2026, a Libertadores terá de volta a Globo nas transmissões da TV aberta. No leilão dos direitos da principal competição do continente, incluindo também a Sul-Americana, a Conmebol conseguiu arrecadar em torno de US$ 1,520 bilhão (R$ 7,8 bilhões) com a venda dos direitos de transmissão dos jogos. Nas plataformas fechadas, ESPN (Disney) e Paramount (Viacom) levaram os direitos para o Brasil, para dividirem 155 jogos. E a OneFootball ficou com os highlights. E pensar que, mesmo com tanta grana em seus cofres, a Conmebol não banca sequer o VAR nas primeiras fases de suas competições. (Fecha o pano!)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário